Questões para estudar

Questões para estudar

Tags :

Category : Economia

Introdução a Economia

1 – Por que a renda no Nordeste é inferior a renda Paulista?

R: Esse é uma questão de Oferta x Demanda. Temos poucas oportunidades de trabalho no NE por conta do baixo desenvolvimento industrial. Por conta disso, existe uma oferta de mão-de-obra muito superior a demanda. Isso provoca queda no valor da mão-de-obra, queda nos salários.

2 – Por que a alta no preço do cafezinho reduz a demanda de açúcar?

R:  Porque são bens complementares, consumidos em conjunto. Logo o aumento no preço do café reduz sua demanda, que vem a reduzir também a demanda de seus bens complementares como o açúcar.

3 – Como se divide o estudo da ciência Econômica?

R:  Se divide em:

  • Microeconomia – Estuda a formação dos preços nos diversos mercados, a partir da ação conjunta da oferta e da demanda. Os preços constituem os sinais para o uso eficiente dos recursos escassos da sociedade e funciona como um elemento de exclusão.
  • Macroeconomia – Estuda as condições de equilíbrio estável entre renda e o gasto nacional. As políticas econômicas de intervenção procuram sempre estabelecer tal equilíbrio.
  • Desenvolvimento Econômico – Estuda o processo de acumulação dos recursos escassos e da geração de tecnologia capazes de aumentar a produção de bens e serviços para a sociedade.
  • Economia Internacional – Estuda as condições de equilíbrio do comercio externo (importações e exportações), alem dos fluxos de capital.

Macroeconomia

1 – Qual a diferença básica entre microeconomia e macroeconomia?

R: A microeconomia é o ramo da ciência econômica voltado ao estudo do comportamento das unidades de consumo (indivíduos e famílias), ela se concentra no estude de como a demanda e a oferta de determinado bem ou serviço determina seu preço. Seu foco recai sobre a escolha individual e suas conseqüências para o mercado.

A macroeconomia estuda o comportamento do sistema econômico por um número de fatores, inflação, desemprego, demanda e oferta agregada, produto, renda, etc. Seus principais objetivos estão no rápido crescimento do consumo. Na macroeconomia os preços são determinados pela quantidade de moeda nas transações e os problemas são tratados nos campos da produção e emprego.

Portanto, a distinção é que a microeconomia estuda a formação de preços, já na macroeconomia ocorre o entrosamento dos fenômenos monetários com os fenômenos reais da produção, consumo e investimento.

2 – Defina o que é:

a) Um agente econômico superavitário: é aquele que tem sua receita maior que sua despesa, dispões de poupança e deseja investir suas economias.

b) Um agente econômico deficitário: é aquele que tem sua receita menor que sua despesa e necessita de crédito para complementar suas atividades e para consumir bens e serviços.

3 – Quais os quatro mercados analisados pela macroeconomia?

R: Os quatro mercados são:

  • Mercado de Trabalho: Analiza todos os tipos de trabalho de um país a partir do nivel de emprego e taxa salarial.
  • Mercado de Bens e Serviços: Análisa todos os bens e serviços produzidos em um país e seus preços. Faz também uma média de preços que é chamade de Nível Geral de Preços.
  • Mercado Monetário e de Títulos: Analiza a moeda e os títulos de dívida. Utiliza como estudo a poupança, a disponibilidade de moeda e os títulos de dívida, para determinar o preço e a quantidade de títulos disponíveis.
  • Mercado de Divisas: Analiza a entrada e saída de capital estrangeiro. Essa variação determina a taxa de câmbio e o preço das divisas em termos da moeda nacional.

Politica Econômica

1 – Qual modalidade de política econômica o governo atual está utilizando? Justifique.

R: O Brasil está utilizando a modalidade expansionista que tem por objetivo a manutenção e/ou aceleração do crescimento, a exemplo do PAC.

2 – Qual o objetivo do governo ao elevar a taxa básica de juros (SELIC)?

R: A taxa de juros tem efeito direto sobre a poupança, influenciando na remureração do capital sobre os investimentos, influenciando o custo do capital. Portanto o objetivo é uma politica monetária restritiva. A elevação da taxa de juros irá diminuir a quantidade de dinheiro em circulação na economia.

3 – O que o governo precisa fazer para aumentar a demanda agregada e o consumo privado através das Políticas Fiscais?

R: Em uma política econômica expansionista, temos o aumento dos gastos públicos e corte de impostos, com o objetivo de aumentar a demanda agregada e o consumo privado.
Quanto maiores os impostos, menor será a renda disponível e portanto a consumo é afetado. Quando os gastos públicos são maiores, a demanda também é maior.
O governo pode estimulá-la cortando impostos e/ou elevando seus gastos.

PIB & PNB

1 – Qual a diferença entre PIB e PNB?

R: PIB – Mensuração de todos os bens e serviços, ou seja, de todas as riquezas produzidas dentro das fronteiras de uma região, independentemente do destino dessa renda.

 PNB – O PNB considera todos os valores que um país recebe do exterior, além das riquezas que foram apropriadas por outras economias, ou seja, os valores que saem.

A diferença é: o PNB considera as rendas enviadas e recebidas do exterior, enquanto o PIB, não.

2 – Por que o Brasil utiliza o PIB e não o PNB para medir as riquezas produzidas pela nossa atividade econômica?

R: O Brasil utiliza o PIB, porque o PNB normalmente é menor que o PIB, uma vez que as transnacionais enviam grande parte de seus lucros para seus países de origem. E como o Brasil possui poucas multinacionais com filiais no exterior,  não há grande absorção de lucros gerados por essas empresas no exterior.

3 – O que o governo espera da economia com o pacote de estimulo a industria anunciado em Abril/2012?

R:  O governo reforçou ações sobre o câmbio, medidas tributárias, com a desoneração da folha de pagamento, e estímulos à produção nacional. Foram destacadas ainda medidas para reduzir o custo do comércio exterior e de defesa comercial. Outra medida é o incentivo ao setor de informação e comunicações. Foram divulgadas ainda melhores condições de crédito, por meio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), e condições mais favoráveis para a indústria automobilística nacional.

O governo espera que todas as medidas venham a aquecer a economia e ajudar a indústria a enfrentar a crise econômica internacional dentro do Plano Brasil Maior. Além disso, espera fortalecer a economia brasileira e garantir a continuidade do crescimento sustentável. As medidas irão responder aos problemas que estão sendo criados pela crise econômica mundial.

Indicadores de Conjuntura

1 – Para que servem os Indicadores de Conjuntura?

R: Indicadores de Conjuntura Econômica são dados estatísticos que analisa a economia e a política nacional. A publicação dos indicadores reúne diversas estatísticas econômicas, abrangendo informações sobre PIB, taxa de desemprego, balança comercial, taxas de câmbio, produção industrial entre outros indicadores. Os indicadores de conjuntura tem a função de nos posicionar sobre  a evolução da economia.

2 – Qual a principal fonte de financiamento de bens de capital?

R: FINAME, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), é uma das principais fontes de financiamentos de bens de capital.

Inflação

1 – Quais os 3 principais institutos de pesquisa que divulgam índices de inflação no Brasil?

R: IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
FGV – Fundação Getúlio Vargas
FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (ligada a USP)

2 – Quais os 3 grupos de preços utilizados para o cálculo de IGP?

R: Preços de Atacado – 60% de peso no índice
Preços ao Consumidor – 30% de peso no índice
Preços da Construção Civil – 10% de peso no índice

3 – Qual a principal função do IGPM?

R:  A principal função do IGPM é a correção de contratos bancários. Criado a pedido da Federação dos Bancos com uma cláusula que impede sua modificação pelo governo e tinha como função, servir de corretor de contratos bancários aplicável já no dia 30 do mês em curso.

Microeconomia

1 – Defina Microeconomia

R: A Microeconomia é definida como um problema de alocação de recursos escassos em relação a uma série possivel de fins. Os desdobramentos lógicos desses problemas levam ao estudo do comportamento economico individual de consumidores, e firmas bem como a distribuição da produção e rendimento entre eles. A Microeconomia é considerada a base da moderna teoria econômica, estudando suas relações fundamentais.

2 – Como se divide a Microeconomia?

R: É dividida em:

Teoria do Consumidor: Estuda as preferências do consumidor analisando o seu comportamento, as suas escolhas, as restrições quanto a valores e a demanda de mercado.

Teoria da Firma: Estuda a estrutura econômica de organizações cujo objetivo é maximizar lucros. Estuda estruturas de mercado tanto competitivas quanto monopolísticas.
Teoria da Produção: Estuda o processo de transformação de fatores adquiridos pela empresa em produtos finais para venda no mercado. Estuda as relações entre as variações dos fatores de produção e suas conseqüências no produto final.

3 – O que estuda a Teoria do Consumidor?

R: A Teoria do Consumidor, ou Teoria da Escolha, é uma teoria microeconômica, que busca descrever como os consumidores tomam decisões de compra e como eles enfrentam os tradeoffs* e as mudanças em seu ambiente. *Tradeoff, é uma expressão que define uma situação em que há conflito de escolha.

Tributos

1 – Defina: Tributo.

R: Tributo é a parcela que a sociedade entrega ao estado em dinheiro, de forma obrigatória, para financiamento dos gastos públicos. Tipos de tributo: Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais.

2 – Qual a diferença entre Imposto e Taxa?

R: Imposto é um tributo arrecadado para atender as necessidades públicas, sem obrigatoriedade de restituição direta àquele que paga, já as taxas são tributos pagos por um serviço que utilizamos ou está a nossa disposição e que gera despesas para o poder público.

3 – Qual a finalidade do Sistema Tributário Nacional?

R: O Sistema Tributário Nacional tem como finalidade arrecadar um determinado valor da população, colocando-o no caixa do governo para que este redistribua para a sociedade através de infraestrutura, saneamento básico, saúde, entre outros serviços.